Sobre Moçambique

mozambique

Moçambique é considerado como um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo.  Segundo dados da UNICEF (2010), em 2008/2009, de 21,5 milhões de pessoas em Moçambique, 55% da população vivem abaixo da linha de pobreza com cerca de meio dólar americano por dia. Segundo dados dos indicadores de desenvolvimento mundiais de 2010, a expectativa de vida ao nascer é de aproximadamente 50 anos. A mortalidade de menores de cinco anos em Moçambique é a 16ª maior do mundo.

Em Moçambique a malária é a principal causa de problemas de saúde e também a causa de morte; constatou-se que 57% das admissões em enfermarias de pediatria se deviam à Malária. O acesso aos cuidados em saúde é muito baixo no país e estima-se que cerca de 50% da população vive a mais de vinte quilômetros da unidade de saúde mais próxima.

A escala de perdas econômicas no país em decorrência da malária não está bem definida, mas prejudica a saúde e bem-estar de famílias, colocando em risco a sobrevivência de crianças e debilitando a saúde da população.

Segundo dados da UNICEF (2010) uma em cada duas crianças moçambicanas sofre de desnutrição crônica e isso é responsável por 15% da mortalidade infantil. Em relação à saúde das crianças condições que explicam a desnutrição e múltiplas infecções se relacionam ao desmame precoce. Somente cerca de 30% das crianças recebem aleitamento materno exclusivo até seis meses de idade. Acesso pobre a água potável e condições de saneamento básico aliadas a baixo nível de educação materna contribuem para a pobre saúde e nutrição infantil.

Estima-se existirem 1,8 milhões de órfãos em Moçambique, dos quais 510.000 devido à AIDS. Apesar dos esforços do Ministério da Saúde de Moçambique, a situação da AIDS no país é extremamente séria (cerca de 20% da população é portadora do vírus). 

Indicadores Básicos de Saúde em Moçambique

  • População negra: 95%
  • População de 0-14 anos: 36,1%
  • População de 15-59 anos: 60,3%
  • População com mais de 60 anos: 3,6%
  • Acesso à eletricidade: 14% da população (Ministério de Energia, 2010).
  • Apesar de possuir enormes recursos hídricos, ainda possui baixa cobertura de abastecimento de água potável (43,9%) sendo que a maioria da população rural ainda consome água inadequada.
  • 62,4% sem acesso a serviços de saúde (o país ocupa a posição 183 entre 191 países analisados quanto à densidade de médicos)
  • Rede de esgoto e fossa séptica: 3,7% (ALBERTO, 2010)
  • Taxa de alfabetização é de 47,8%
  • Desemprego: quase um quarto da população está desempregada

 

Dados populacionais

  • População: mais de 20 milhões
  • Taxa de natalidade: 38,21 crianças nascem por mil habitantes por ano (Brasil: 13,6)
  • Taxa de Fertilidade: média de 4,99 por mulheres (Brasil 1,86)
  • Expectativa de vida: 50.2 anos (Brasil 72,5 anos / Canadá 81 anos)
  • Mortalidade infantil: 80 mortes de crianças menores de 1 ano para cada 1000 nascidos vivos (Brasil: 21 e Canadá: 5)
  • Grupos étnicos: africanos (99,66%), europeus (0,06%), euro-africanos (0,2%), indianos (0,08%).
  • Principais religiões: católica (23,8%), muçulmana (17,8%), cristãos sionistas (17,5%), outros (17,8%), nenhuma (23,1%).
  • Línguas: língua portuguesa é a língua oficial. No entanto, o Recenseamento Geral da População e Habitação, realizado em 1997, mostrou que ela é língua falada em casa em apenas 6% da população. Na capital (Maputo) chega aos 25%. Apenas  cerca de 40% dos moçambicanos declararam que sabiam falar português (em Maputo, 87%). Existem muitas línguas regionais (ronga, changã, muchope).
  • Analfabetismo 60% (mas há 25 anos era 93%…). A população tem somente 1.2 anos de escolaridade média
  • Proporção da população que utiliza água tratada: 42% (2006). ·
  • Proporção da população que utiliza serviços de saneamento: 31% (2006).
  • A população ainda é predominantemente rural, sendo a agricultura basicamente de subsistência.
  • Um grande problema é a incidência de HIV. Em 2000 estimava-se que 12,2% da população adulta estava infectada, chegando a 25% em algumas regiões. Com isso, existem mais de 500 mil crianças que perderam o pai, a mãe ou ambos devido à AIDS.